segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

27 de janeiro de 2013


27 de janeiro de 2013

Acordei chorando, e não foi porque tive um sonho ruim.
Acordei chorando porque o pesadelo era real.
Logo que liguei o rádio nesse domingo pela manhã, ouvi notícias de um incidente terrível, verdadeira tragédia. O rádio dava notícias de um incêndio em uma casa noturna em Santa Maria. Quando ouvi a notícia os mortos estavam na casa da centena, um massacre como há muito não se via.
Em geral, jovens que só queriam se divertir, vinte e poucos anos, muitos nem isso.
Acordei chorando, mas o dia transcorreu em clima de pesadelo. A contagem dos mortos não parava de aumentar. Corpos sendo transportados em caminhão para um ginásio esportivo improvisado em necrotério.
Choro, ranger de dentes e desespero de pais, amigos, irmãos, irmãs, ... 

Choro de estranhos, como eu.


28/01/2013.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Biguás no Guaíba



Ao menos me disseram que deveriam ser biguás.

Imagens captadas em 24 de janeiro de 2013, próximo ao meio-dia.

sábado, 5 de janeiro de 2013

Diário - filmes atrasados, comentários sumários - Megamente


Diário - filmes atrasados, comentários sumários - Megamente

Que tal se o cara mau de um filme vencesse e prevalecesse sobre o cara bom? E que tal se, em tendo vencido, e tendo obtido todo o poder sobre uma coletividade, o tal cara mau acaba achando sua vitória vazia de sentido, e a sua existência tediosa? Esta aparente quebra de paradigmas é o início da história do desenho animado "Megamente", que só recentemente tive ocasião de assistir.
"Megamente" é o nome do cara mau do parágrafo anterior e o personagem principal do filme. Um superbandido de pele azul, inventor de todo tipo de traquitana, como um carro invisível e um relógio metamórfico, que o ajudem na sua vida criminosa.
O surpreendente é esta aparente subversão de valores mostrada num desenho animado, supostamente dirigido às crianças. No decorrer do filme, outras ambiguidades são mostradas.
Mas no final o filme é bem divertido.
E, sim, tem um final edificante.


04/01/2013.

Arena OAS Grêmio no dia de sua inauguração




Foto de J.C. Coelho . Até onde sei, J. C. Coelho não está em nenhuma rede social para falar a respeito desta foto.

Diário - cinema - O Hobbit, Uma Jornada Inesperada


Diário - cinema - O Hobbit, Uma Jornada Inesperada


Faz pouco tempo fui assistir o filme "O Hobbit, Uma Jornada Inesperada", uma nova aventura baseada no universo criado pelo britânico J.R.R. Tolkien. Aventura esta que é a primeira parte de uma trilogia que nos é prometida em capítulos anuais até 2014. A trilogia é baseada no livro "O Hobbit", do mesmo Tolkien.
Que posso dizer deste filme? Basicamente que é, até agora, um pouco mais do mesmo sobre esse universo de Tolkien citado no parágrafo anterior. De quebra, mesmo diretor. O mesmo mundo fantástico da série "O Senhor dos Anéis". Esta história se passa 60 anos antes dos eventos de "O Senhor dos Anéis", e não é necessário rever os filmes desta trilogia, como vi mais de uma pessoa fazer. As narrativas são independentes. E vemos novamente na tela anões, magos, orcs e elfos. E como no primeiro filme de "O Senhor dos Anéis", este também tem um fim abrupto. Então, vá pensando que você terá que esperar até o final de 2014 para saber o desfecho da jornada.
O filme fala em "Uma Jornada Inesperada", e de fato, aqui o personagem Bilbo, um hobbit do condado dos hobbits, e que já aparecera na trilogia “O Senhor dos Anéis”, e está, portanto, 60 anos mais jovem, é tirado de sua rotina pela chegada de Gandalf, e de alguns anões que querem recuperar sua terra ocupada por um dragão invasor.
Como eu disse, neste primeiro capítulo a história fica inconclusa. Mas este tipo de narrativa não é novo. Basicamente alguém, ou um pequeno grupo, sai numa jornada, neste caso de volta a uma terra natal que foi "roubada", e nessa jornada passará por uma série de desafios. Ao final, a pessoa ou o grupo se transformou, e se tornou mais plena(o).
O filme é um pouco longo, mas divertido.
Aguardemos os próximos capítulos.




02/01/2013.