domingo, 24 de abril de 2016

Diário - cinema - Kung Fu Panda 3


Diário - cinema - Kung Fu Panda 3



Kung fu Panda 3, como se poderia esperar, é o terceiro filme de uma franquia iniciada em 2008. Naquele primeiro episódio, o panda Po precisava aprender a se tornar um mestre do kung fu, para enfrentar o terrível e renegado Tai Lung. A esse se sucedeu o segundo filme, que lida com armas de fogo. E agora esse terceiro episódio, onde mestres de kung fu lutam além da morte.


Agora Po precisa enfrentar o terrível Kai, um touro, que acumula o "chi" (um conceito de energia vital chinês), de diversos lutadores, inclusive de mestre Oogway, a tartaruga mentora do kung fu desde o primeiro filme, e que, supostamente curtia uma aposentadoria no paraíso (ou no lar dos mortos).


Kai volta para o mundo dos mortais, para tomar o chi de todos os mestres existentes, e Po vai precisar enfrentá-lo. De quebra Po ainda descobre a identidade de seu pai de sangue e um refúgio secreto de pandas que deveriam ser mestres do controle do chi.


Nada demais. Mais um filme para crianças, que pode divertir os adultos que as acompanham.



13/04/2016.

terça-feira, 19 de abril de 2016

"Impeachment" e "Traições"


"Impeachment" e "Traições"


Manchete do jornal Correio do Povo de Porto Alegre dá conta das "traições" na votação pelo impeachment da presidenta Dilma Rousseff.


No caso, falam especificamente de deputados do PDT, partido que supostamente havia fechado questão contra o impeachment, mas deu seis votos a favor (do impeachment); dos deputados Alfredo Nascimento (PR-AM) e Mauro Lopes (PMDB-MG), ex-ministros de Dilma, e Ricardo Barros (PP-PR), vice-líder do governo na Câmara.


Alfredo Nascimento é um caso fácil de explicar, pois foi desligado do ministério quando surgiram denúncias contra ele. Possivelmente ficou magoado.


Já um vice-líder do governo da Câmara e um ex-ministro que supostamente se licenciara do cargo para votar contra o impeachment são realmente duas surpresas.


Eu fiquei decepcionado com o voto do deputado João Derli, eleito pelo PCdoB, e migrado para a Rede, que votou pelo sim.


E com o deputado Giovani Cherini. Outros cinco deputados do PDT, de Minas Gerais, Espírito Santo, Amapá e Goiás, votarem pelo impeachment até não me impressiona, pois podem ser quaisquer deputados em busca de uma legenda para se elegerem. Mas um deputado do PDT da terra de Getúlio Vargas, João Goulart e Leonel Brizola, votar pelo impeachment é muito decepcionante.


Enfim, coisas do nosso Congresso, e, no caso do meu comentário, do Rio Grande do Sul.


18/04/2016.

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Fim da Semana do Impeachment

Fim da Semana do Impeachment


Terminou neste domingo à noite a semana do impeachment.


A Câmara dos Deputados com 367 votos a favor, concebeu a admissibilidade da continuação do processo contra a Presidenta, numa sessão presidida pelo deputado Eduardo Cunha, do PMDB do Rio de Janeiro, réu em dez processos por corrupção no STF.


Com a ajuda da bancada evangélica, que por meio de seus membros, invocava Deus e a família, o Brasil se colocou no mesmo patamar das repúblicas, agora mais irmãs, de Honduras (golpe congressual em 2009) e do Paraguai (golpe congressual em 2012).


E assim fechamos a semana. O Brasil deve ficar bem melhor dirigido por Michel Temer e Eduardo Cunha.


17/04/2016.

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Semana do Impeachment - 28ª Fase da Operação Lava Jato



Semana do Impeachment - 28ª Fase da Operação Lava Jato


Na semana de maior tensão pela votação do impeachment, confirmo que não sirvo para profeta.


Cogitei domingo que haveria uma, quiçá duas fases da Operação Lava Jato essa semana para incentivar o pessoal a favor do golpe, digo, do impeachment. De fato, nesta terça-feira houve mais uma fase da República de Curitiba, mas a figura mais conhecida presa nessa fase foi o ex-senador pelo Distrito Federal Gim Argello. Ele teve seu mandato pelo PTB. No momento o PTB se diz fechado a favor do golpe, digo, do impeachment, isto é, faz parte da oposição.


Equipe da Lava Jato querendo posar de imparcial na semana do golpe, digo, do impeachment?



12/04/2016. Por José Elesbán Rodrigues.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Semana do Impeachment


Semana do Impeachment



E assim chegamos à semana do "impeachment", isto é, a semana em que a interrupção do mandato da presidenta Dilma Rousseff deve ser votado em plenário, na Câmara dos Deputados, presidida pelo inolvidável Deputado Eduardo Cunha.


Temos que se 342 votos forem alcançados pelos deputados a favor do "impeachment", o pedido deverá ser encaminhado ao Senado, que votará se acolhe o pedido. Se for acolhido, a presidenta será afastada do cargo por 180 dias para análise da tal crime de responsabilidade que estaria na base do pedido de impedimento.


Durante esses 180 dias o país já será dirigido pelo atual vice-presidente Michel Temer. Na prática também, o Deputado Eduardo Cunha será o vice-presidente de fato da nação, enquanto durar seu mandato como Presidente da Câmara.


O que podemos esperar nesta semana? Bom talvez mais uma ou duas novas fases da Operação Lava Jato, talvez uma já nessa madrugada de segunda-feira, com ampla divulgação nos meios de comunicação, principalmente na Rede Globo de Televisão, prendendo alguma figura do PT que não tenha fórum privilegiado. Quem sabe o próprio presidente Rui Falcão? A acusação? A acusação é o de menos, o acusado sempre pode ser solto depois, e as imagens para a televisão já terão sido geradas.


Dependendo de quem for a pessoa presa, pode mexer com os brios dos antipetistas e gerar alguma bateção de panelas, ou outro ato de indignação. Sempre levando em consideração que a maioria dos batedores de panela antipetistas tem comida na mesa, e bater panela já não é um sinal de fome, como originalmente.


Enfim, não duvido de uma operação midiática na segunda e outra na sexta-feira, tudo isso para manter a mobilização dos antipetistas, e provocar manifestações pelas capitais para serem transmitidas pela televisão e constranger os deputados a votarem a favor do "impeachment".


A propósito, parece que o inolvidável Deputado Eduardo Cunha pretende que a votação seja em pleno domingo, obviamente com transmissão ao vivo pela Rede Globo.

Seja qual for o resultado da tal votação, temo a maneira como o país partido acordará na segunda-feira seguinte.


P.S. - Atualização: O UOL cogita dois nomes: Os ex-ministros Antonio Palocci e Erenice Guerra. Veremos.

10/04/2016, por José Elesbán Rodrigues

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Diário - cinema - O Regresso


Diário - cinema - O Regresso


"O Regresso" ("The Revenant", Estados Unidos, 2015) é um filme em que todos estão em guerra contra todos. Índios contra brancos, um grupo de índios contra outro grupo de índios, um grupo de brancos contra outro grupo de brancos, os indivíduos entre si do mesmo grupo, a natureza contra o homem, o homem contra a natureza (o homem até pode fazer parte da natureza, mas essa é outra discussão). De um ambiente assim, hostil ao extremo, só poderia resultar um filme triste e amargo, embora bom.


O filme conta a história de Hugh Glass, Oscar de melhor ator para Leonardo de Caprio (afinal!), um guia que deve liderar um grupo de peleteiros que foi atacado por índios, em direção à fortificação que lhes serve de base, no centro-norte dos Estados Unidos. Com ele está seu filho mestiço, de mãe índia.


Durante o trajeto ele é atacado por uma ursa que lhe dilacera as costas e a garganta, deixando-o muito debilitado. No extremo frio do inverno da região, ele acaba por se tornar um estorvo para o grupo, que se divide. Uma parte vai na frente e deixa três homens, John Fitzgerald (Tom Hardy) e Jim Bridger (Will Poulter), e o próprio filho de Glass, Hawk (Forrest Goodluck). Acontece que Fitzgerald trai Glass, e o deixa para trás, para morrer.


Contra todas as possibilidades, Glass vai sobreviver é ir atrás e Fitzgerald. Eis aí o nome do filme: "Revenant", que, pelo que pude ler, significa o retorno de alguém que havia sido dado por morto, ou mesmo o retorno de um fantasma que volta para atazanar os vivos. Ambas as coisas poderiam ser ditas de Glass nesse filme.


Há coisas que se destacam no filme. Por exemplo, o frio. Indo assistir o filme no calor do verão de Porto Alegre, no ar condicionado da sala de cinema, quase dá frio aquelas imagens carregadas de neve, chuva e gelo.


Outra coisa é esse estado constante de luta que falei no início. Os homens estão sempre lutando entre si, e contra a natureza. A própria sobrevivência de Glass é uma ilustração extrema disso.


Enfim, apesar do frio, e do sofrimento do protagonista, o filme tem uma fotografia deslumbrante.


Um longo, sofrido e bom filme.



05/03/2016.

domingo, 3 de abril de 2016

Sexta-Feira Santa 2016


Sexta-Feira Santa 2016


Chove em Porto Alegre. É sexta-feira. Sexta-Feira Santa. A que normalmente se dedica à reflexão cristã, católica na sua maior parte, aqui em Porto Alegre.


O dia já entra pela tarde, e a chuva continua. Meu filho dorme, resultado de uma possível maratona no Netflix. A mulher dorme, resultado do cansaço acumulado na semana em seu trabalho pesado.


Resolvo sair para comprar jornal e ver o movimento.


O movimento na rua é quase inexistente, parece que caminho sozinho pela rua. Umidade por todo lado, como seria de esperar. Gotas acumuladas sobre os automóveis estacionados. Água acumulada nas folhas das árvores. Poças que se formam sobre a areia da praça.


É Sexta-Feira Santa. Mas não consegui ouvir o badalar de sinos de igreja. Talvez porque não haja nenhuma grande igreja com campanário próximo de minha casa. Moro perto do templo de uma igreja protestante, e de minha casa eu consigo ouvir o sino, mas hoje não ouvi nada. Não sei se sono pesado, ou falta de serviço na igreja.


Penso que hoje seria um dia para pensar na morte de Jesus. Em tempos de descrença e ceticismo, parece estranha a narrativa do Evangelho. O Deus que se tornou homem, e deu sua vida pela redenção dos homens parece não fazer sentido. Mas, em termos gerais, é isso que se celebra hoje. Os tempos de conhecimento e falta de fé no máximo aceitam a morte de um mestre da religião e da ética há 2000 anos.


Talvez hoje fosse um dia adequado para celebrar a Ceia do Senhor, aquilo que a cada missa é ministrado como eucaristia. Dia de celebrar a Ceia do Senhor, lembrar a Sua morte, e aguardar o Seu retorno. Quando voltas, Senhor?


Todas esses pensamentos passavam pela minha cabeça, quando me aproximava do xóping. Algumas pessoas carregavam sacolas de supermercado. O supermercado está aberto, a pet shop também, e toda a área de alimentação. Embora o movimento seja pouco. Provavelmente mais pela chuva, que pelo dia de reflexão.


O que a Sexta-Feira Santa significa para cada um hoje?

25/03/2016. Por José Elesbán Rodrigues.